Menor planeta extra-solar já encontrado é rochoso como a Terra

Astrônomos descobriram um planeta extra-solar – situado fora do nosso Sistema Solar – que tem apenas três vezes a massa da Terra. Este é o menor planeta extra-solar já encontrada e que é rochoso – a quase totalidade das descobertas anteriores era de planetas gigantes gasosos, como Júpiter.

Planeta pequeno, estrela pequena

Outra novidade é que o novo planeta orbita uma estrela muito pequena, com uma massa equivalente a apenas 20 por cento da massa do Sol, numa evidência incontestável de que virtualmente qualquer tipo de estrela pode ter planetas.

O novo sistema planetário está a 3.000 anos-luz da Terra. A estrela ainda não pôde ser catalogada com precisão, podendo ser do mesmo tipo que o Sol, com luz própria gerada por fusão nuclear, ou mesmo uma anã-branca, um corpo celeste classificado como uma estrela, mas sem massa suficiente para sustentar reações de fusão.

Nome estranho

O novo planeta extra-solar foi batizado de MOA-2007-BLG-192L. MOA refere-se ao observatório utilizado na descoberta (MOA – Microlensing Observations in Astrophysics); 2007 é o ano em que ocorreu o efeito de microlente, utilizado para detectar o planeta; BLG é a sigla para bulge; 192 indica que este foi o 192º evento de microlente registrado pelo observatório MOA; finalmente, a letra L indica que se trata da estrela que causou o efeito lente, em oposição à estrela distante cuja luz foi desviada.

Microlente gravitacional

O efeito conhecido como lente gravitacional (ou microlente gravitacional), utilizado para a descoberta de planetas extra-solares, ocorre quando um objeto que passa à frente de uma estrela brilhante ao fundo causa uma variação na luminosidade dessa estrela.

A gravidade do corpo celeste que passa à frente age como uma lente, ampliando a luz da estrela de fundo. Os cientistas calculam que o fenômeno das lentes gravitacionais pode ser utilizado para detectar planetas com até um décimo da massa da Terra.

 

 

Deixe uma resposta