Telescópio espacial Kepler vai começar busca por outras Terras

Telescópio espacial Kepler vai começar busca por outras Terras


Estaremos mesmo sozinhos no Universo? Existirão outros planetas como o nosso?

O telescópio espacial Kepler, da NASA, está para começar uma jornada
sem precedentes que poderá responder essas questões históricas.

Planetas semelhantes à Terra

O telescópio Kepler deverá ser lançado ao espaço no Cabo Canaveral,
a bordo de um foguete Delta II, no próximo dia 5 de Março, às 12:48 h,
horário de Brasília. Esta será a primeira missão com a capacidade de
encontrar planetas semelhantes à Terra – planetas rochosos que orbitam
estrelas parecidas com o Sol em uma zona quente onde a água pode se
manter sobre a superfície em estado líquido.

Telescópio espacial Kepler vai começar busca por outras TerrasConcepção artística de uma planeta semelhante à Terra orbitando uma estrela distante. [Crédito: Dana Berry/NASA.]

"O Kepler é um componente crítico dos esforços da NASA para
encontrar e estudar planetas onde as condições semelhantes às da Terra
podem estar presentes," afirma Jon Morse, diretor da divisão de
Astrofísica da NASA.

Centenas de terras

A missão passará três anos e meio pesquisando mais de 100.000
estrelas parecidas com o Sol na região de Cisne-Libra da nossa Via
Láctea. Espera-se que ela encontre centenas de planetas do tamanho da
Terra e maiores, orbitando a várias distâncias de suas estrelas.

Se os planetas semelhantes à Terra orbitando em zonas habitáveis
(onde existem condições para existência de água líquida) forem comuns,
o telescópio Kepler poderá encontrar dúzias de mundos como o nosso. Por
outro lado, se esses planetas forem raros, o Kepler poderá mesmo não
encontrar nenhum.

Maior câmera já lançada ao espaço

Telescópio espacial Kepler vai começar busca por outras TerrasO
telescópio Kepler foi especialmente projetado para detectar a variação
periódica do brilho das estrelas causada pelo trânsito de seus
planetas. Alguns sistemas estelares são orientados de tal forma que
seus planetas cruzam na frente das suas estrelas, quando olhados do
ponto de vista da Terra.

À medida que esses planetas transitam, eles fazem com que a luz das
suas estrelas tremule levemente, ou pisque. O telescópio consegue
detectar essas alterações de brilho com uma precisão de apenas 20
partes por milhão.

"Se o Kepler for apontado para uma pequena cidade na Terra à noite,
ele é capaz de detectar a variação da luz na varanda de uma casa quando
alguém passar em frente," diz James Fanson, coordenador do projeto
Kepler.

Para alcançar tamanha precisão, o telescópio Kepler contará com a
maior câmera digital já lançada ao espaço, um conjunto de CCDs com 95
megapixels. São 42 CCDs para captura científica de imagens e quatro
CCDs especiais de guia, um em cada canto do conjunto.

Caminho para outras terras.

Vasculhando uma grande porção do céu durante sua vida útil, o
telescópio Kepler será capaz de acompanhar planetas transitando
periodicamente ao redor de suas estrelas em múltiplos ciclos. Isto irá
permitir que os astrônomos confirmem a presença dos planetas.

Planetas do tamanho da Terra em zonas habitáveis teoricamente
levarão cerca de um ano para completar uma órbita, de forma que o
Kepler irá monitorar essas estrelas por pelo menos três anos para
confirmar sua presença. Telescópios instalados no solo, além dos
telescópios espaciais Hubble e Spitzer, empreenderão estudos de
acompanhamento nos planetas maiores, que possam ser vistos com suas
resoluções.

"O telescópio Kepler é de fundamental importância no entendimento de
que tipos de planetas formam-se ao redor de outras estrelas," diz a
caçadora de exoplanetas Debra Fischer, da Universidade do Estado de São
Francisco. "As descobertas que emergirem serão usadas imediatamente
para estudar as atmosferas dos exoplanetas gigantes gasosos com o
Spitzer. E as estatísticas que serão compiladas nos ajudarão a traçar
uma rota em direção a um pálido ponto azul como a nossa Terra,
orbitando outra estrela de nossa galáxia."

Fonte : Inovação Tecnológica

Deixe uma resposta